Postagens

Mostrando postagens de 2016

Políticas para o mercado ou para a leitura?

Por Lau Siqueira

Uma pulga atrás da orelha me informa que o atual ministro da Cultura quer implantar bibliotecas comunitárias nos conjuntos financiados pelo programa Minha Casa Minha Vida. Diz a pulga fofoqueira que a notícia saiu um dia desses e nunca mais se tocou no assunto. Mas, fofoca de pulga não é coisa pra ser guardada atrás da orelha. A desconfiança do bichinho não vem apenas do fato de Caleiro ser ministro de um governo cuja legitimidade é questionada nacional e internacionalmente. Segundo a nossa fofoqueira mínima,  o  Excelentíssimo  deseja apontar soluções mágicas e simpáticas aos segmentos mais críticos da Cultura. Entretanto, sem conhecer muito bem o chão da sua pisada. Ele ainda não se “enturmou” com o segmento. Em cada declaração parece querer angariar simpatias, mas não gera confiança alguma. Compreensível, afinal, não deve ser fácil ser ministro da cultura de um governo golpista. O segmento, historicamente, não engole fácil esse tipo de circunstância. Caleiro pode at…

ENOCH É A DANÇA ALÉM DO CORPO.

Por Lau Siqueira

José Enoch é muito mais que um ícone da dança brasileira. O tempo teve a habilidade de transformá-lo numa espécie de representação da dança muito além do corpo. O ápice de um movimento absolutamente único que costura os instantes e as intensidades de uma vida inteira dedicada à arte. Uma imagem de delicadezas. Uma energia que acabou por transformá-lo, também, num grande mestre da vida.  Sua experiência extrapola os palcos. Abriga sensações e estranhamentos. Coisas que se experimenta quando a vida transcende os extremos. Enoch foi aos extremos. Ultrapassou os extremos e voltou ao centro. Cavalgou pela vida como um arqueiro destemido. Descobrindo ventos e desbravando tempestades.

Paraibano de Rio Tinto, percorreu o mundo com sua arte. Nova Iorque, Osaka, Sydney. Dançou na Broadway. Dançou nas principais salas de espetáculo do mundo. Conviveu com os mitos como Elvis Presley, Bibi Ferreira, Dercy Gonsalves, Virgínia Lane na boa fase do Teatro Rebolado. Soube traduzir tudo i…

Em Guarabira tem Café com Poeira – Cultura e Resistência no Brejo Paraibano

Por Lau Siqueira

Guarabira é uma das mais importantes cidades do interior do Nordeste. É conhecida como a “Rainha do Brejo”. Situada numa das regiões de solo mais fértil do país, é um polo regional relevante em todos os sentidos. Possui localização geográfica estratégica.  Fica à cem quilômetros de João Pessoa e pouco menos que isso, de Campina Grande. Cento e oitenta quilômetros de Natal e duzentos e cinquenta de Recife. Integra uma região populosa e com expressões artísticas e culturais reconhecidas nacional e internacionalmente. Possui teatro, museu e outros equipamentos culturais. Mas, vem sendo gerida com as mãos de ferro das oligarquias. Grupos familiares se revezam na prefeitura. Políticos que não dialogam e até desprezam a efervescência natural dos movimentos culturais da cidade.

Todavia, os artistas e produtores locais não se entregam. Nunca baixaram a cabeça diante da hegemonia conservadora. Se articulam, se movimentam, criam espaços, reinventam-se, reviram as tradições e dia…

OS SEGREDOS DE QUELLYNO

“Nada envelhece tão depressa, quanto a novidade.”
(José Paulo Paes)



Neste livro, o poeta Quelino Sousa – já conhecido nos meios literários da antiga Cidade das Acácias - ingressou num universo muito expressivo da história da poesia universal. Experimenta seus poemas, exclusivamente, em sonetos e haicais. Duas formas fixas do fazer poético. Entretanto ambas com variações infinitas. Entre os extremos, cabe tudo ou quase tudo. Aliás, hai = brincadeira, gracejo, kai = harmonia, realização. Na sua origem, talvez, uma quase fotografia. O haicai, na verdade,  é um denso objeto do olhar. Já o soneto, desde sua origem até esses tempos difusos,  já se estendeu até mesmo no tapete tatuado da Poesia Visual. Especialmente quando o poeta potiguar Avelino de Araújo criou o famoso Soneto do Apartheid. Uma disposição visual  com os quartetos e tercetos representados por pedaços de arames farpados. Dispostos, inventivamente, na forma do soneto e denunciando o regime racista da África do Sul nos anos 70.…

Um novo conceito para a Rota Caminhos do Frio.

Em tempos de crise o que não pode faltar é coragem. Parece que esta frase, de certa forma, resume o que está acontecendo na Rota Cultural Caminhos do Frio 2016. Na verdade, o mais amplo projeto de divulgação do turismo e da cultura regional da Paraíba. Mesmo que não seja, ainda, o maior em volume de investimentos. Mas, devemos concordar que num ano em que diversos eventos semelhantes foram cancelados no Brasil, prevaleceu a coragem, o bom senso, o companheirismo, a visão de futuro do Fórum de Turismo do Brejo, das gestões municipais, estaduais, do empresariado da região, da imprensa, dos artistas e agentes de cultura e turismo. Todo mundo resolveu dar as mãos. Prevaleceu o colaboracionismo. As vaidades pessoais foram esquecidas. Esta é uma moeda imprescindível para garantir o futuro do evento. As soluções brotaram com naturalidade e, em plena crise, a Rota cresceu. Mais dois municípios foram incluídos e ficou consolidada a natureza regional do projeto. Ou a região prospera de forma un…

Políticas para o mercado ou para a leitura?

Uma pulga atrás da orelha me informa que o atual ministro da Cultura quer implantar bibliotecas comunitárias nos conjuntos financiados pelo programa Minha Casa Minha Vida. A desconfiança não vem apenas do fato de ser Caleiro, até o momento, interino em um governo cuja legitimidade é questionada nacional e internacionalmente. Parece que o ministro deseja apontar soluções simpáticas aos segmentos mais críticos da cultura. Entretanto, sem conhecer direito o chão da sua pisada. Ele não se “enturmou” com o segmento. Em cada declaração parece querer angariar simpatias. Compreensível, afinal, não deve ser fácil ser ministro da cultura de um governo golpista. O segmento, historicamente, não engole fácil esse tipo de circunstância. Caleiro pode até ser bem-intencionado, mas é um gestor cercado de nuvens. Não poderia ser diferente. Dadas as circunstâncias da sua ascensão como Ministro da Cultura. Ele aceitou o cargo no vácuo de honrosas recusas. Talvez precise mostrar para si mesmo que valeu o …

E AGORA O PROBLEMA É A CULTURA?

Por Lau Siqueira De uma hora para outra aparecem pessoas revoltadas com os artistas e criminalizando a cultura. Me pergunto se acham mesmo que podemos resolver os problemas da saúde, educação, segurança, etc, suprimindo cerca de 0,35% do orçamento que é, em média o que se gasta com cultura neste país. Quer dizer que a corrupção, mote inicial dos "revoltados on line", está fora de pauta? Quer dizer que a sonegação fiscal que é gigantesca e que sequer foi investigada ainda, não representa nada? Temos museus fechando, teatros desabando pelo país afora e o problema é os artistas lutando pela permanência de políticas públicas para a cultura? O mais engraçado é que a única coisa que esse presidente interino preservou foi a Lei Rouanet que o ministro Juca Ferreira lutava para transformar. Tem projeto sobre isso tramitando no Congresso, sabiam? E agora aparece uma matilha de desinformados raivosos que abraça uma causa sem saber sequer o que está falando.  O fato é que o segmento mai…

CHEGA DE MI MI MI...

Por Lau Siqueira
Para desgosto de alguns o fato mais contundente da Operação Lava-Jato, até agora, foi a gravação de uma conversa entre Dilma e Lula que não contribuiu com absolutamente nada para a investigação. Uma barrigada jurídica usada posteriormente como instrumento de chantagem. Diante da possibilidade de perder o “selo” Lula para o STF, Moro expôs o que o ex-presidente pensa sobre o STF. Simples assim. O Excelentíssimo jogou no ventilador. Virou vale-tudo. São os tempos do BBB Jurídico. A exposição pública é feita sem escrúpulos. Estão usando irresponsavelmente uma prerrogativa da Justiça para fomentar o ódio que já inunda as ruas. Pior: ninguém é responsável por nada.
As gravações de Lula e Dilma podem até ser legais e justificáveis. Mas, a divulgação massificada para uso e abuso político foi infame demais. Uma vergonha. Não interessa a vida pessoal de ninguém. O jeito como falam, os palavrões que dizem reservadamente, como se vestem, por onde transitam, quem são seus amigos.…

SEM BOM SENSO A ESPERANÇA NAUFRAGA

Democracia nunca foi fácil. Pela democracia você garante até mesmo o direito de quem deseja tomar o seu espaço. Mesmo assim ainda é o melhor caminho. O que é assustador num momento como este que o Brasil vive é o desejo insano e incendiário de algumas pessoas. Claro que a democracia não é um sistema perfeito. Mas, é o único onde se pode viver num Estado de Direito. Muitos dos que foram para rua pedindo a ditadura e acusando a “ditadura bolivariana” do PT, esquecem que se fosse mesmo uma ditadura não estariam nas ruas. Não iriam para as ruas na perspectiva de serem recepcionados com gás lacrimogêneo e balas de borracha ou fuzis 7.62, com diz um certo deputado fascista. E mais: claro que Lula precisa ser investigado. Dilma, também. Mas, esquecer a privataria tucana? Esquecer a roubalheira que foi a privatização das telecomunicações? Por que? Tudo foi tão recente. Esquecer que um certo helicóptero foi preso recentemente carregado de cocaína e nunca mais se falou no assunto? E as contas de…