ALGUMAS IDEIAS PARA AS BIBLIOTECAS

por Lau Siqueira

Algumas ideias para as bibliotecas

O fechamento da biblioteca Juarez Gama Batista durante a reforma do Espaço Cultural da Paraíba despertou atenção sobre a sua demanda real. A verdade é que até o momento apenas as pessoas que estudam para concursos públicos exigem, com muita propriedade e com todo direito, a reabertura da biblioteca. Mas, essas pessoas necessitam quase que exclusivamente do espaço físico da biblioteca. Seus temas de interesse não estão, necessariamente, disponíveis entre os mais de cem mil títulos do acervo. A maioria traz de casa os livros e apostilas que precisa para estudar. Não que essa não seja uma demanda legítima. Não se trata absolutamente disso. Não vamos aqui confundir as coisas. O fato é que esta não pode nem deve ser a sua única demanda e muito menos a maior prioridade.

Uma biblioteca pode e deve cumprir um papel determinante na formação cidadã. Precisa buscar os caminhos da sedução para que o futuro usuário não a frequente apenas devido às exigências escolares. Precisa se tornar um lugar de fruição, de prazer e de grandes descobertas. Logicamente que não iremos imaginar que bastaria implantarmos algumas políticas compensatórias e tudo estará resolvido. Em primeiro lugar a biblioteca precisa ser vista como um equipamento fundamental para a consolidação de uma política cultural capaz de reaproximar a cultura da educação. Não nos basta a cultura do espetáculo.

As formulações futuras devem apontar para ações permanentes. Os investimentos na renovação do acervo, em mediadores de leitura e bibliotecários devem ser prioritários.. Política pública é processo contínuo. A ação da biblioteca em direção ao leitor deve ser cotidiana. Uma ação que depende de um conjunto de fatores profissionais e estruturais, mas fundamentalmente depende de um olhar apaixonado. Principalmente em direção à formação de leitores. Especialmente para a literatura contemporânea que cumpre um papel fundamental neste processo de sedução. Até mesmo pela possibilidade da presença física do escritor.


Esses são alguns dos fatores que podem dar uma nova dimensão à Biblioteca Juarez Gama Batista e que podem e devem se estender para outras bibliotecas a partir do Sistema Estadual de Bibliotecas. A biblioteca cumprirá assim o seu papel na formação cultural, social e intelectual, principalmente da criança e do jovem. Uma biblioteca deve se tornar necessária não pelas demandas setoriais que possa abrigar. Mas,  sobretudo, por estabelecer um nível de exigência mais agudo por parte dos seus usuários e um pensamento crítico em relação à sociedade. Algo capaz de determinar um tratamento prioritário para as políticas do livro e da leitura.

texto que será publicado amanhã, 08.08.2014, na minha coluna do Jornal A União.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mário Quintana: A ABL VIROU UM DEPÓSITO DE MINISTROS

ENOCH É A DANÇA ALÉM DO CORPO.

Em Guarabira tem Café com Poeira – Cultura e Resistência no Brejo Paraibano