Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2014

A SÍNDROME DE SHERAZADE

Por Lau Siqueira

A jornalista paraibana Rachel Sherazade, apresentadora do SBT, vem despertando paixão e repulsa. Não que isso pareça incomodá-la. Absolutamente. No gênero Bolsonaro News, ela é top-midia e parece realizada.Não está onde está gratuitamente. Sua credencial é o que defende e o que difunde. Serve a umacorrente ideológica muito bem definida. Representa as maquiagens de uma tribo ressentida e amargurada com a persistência democrática. Afinal, o Brasil elegeu um operário presidente e depois uma ex-prisioneira política. Não que isso tenha transformado profundamente a cultura dominante.Se assim fosse, estaríamospunindo os barões do crime muito antes de acorrentar adolescentes negros e pobres, acusados de pequenos furtos. Mas, a elite nunca engoliu isso.

Em 2014 teremos eleição. A violência será pautada com o cinismo de sempre. Pouco se falará do assassinato de mulheres. Menos ainda, da violência cotidiana dos machos em alguns lares. A banalização midiática encobrirá a erotização…

CULTURA, MERCADO E REALIDADE REGIONAL

Por Lau Siqueira

Considero o francês Edgar Morin um dos mais lúcidos pensadores do mundo contemporâneo. O que é pensado sobre a Europa do século XX, serve para a realidade do Cariri, do Curimataú, do Seridó, do Brejo ou qualquer região da Paraíba neste começo do século XXI. A homogeneização, a padronização, a degradação e o extravio das diversidades culturais, pelo menos, se assemelham. Não é de outra coisa que Morin está falando no livro “Rumo ao Abismo? – Ensaio sobre o destino da humanidade” se não da chegada dos paredões e da mercantilização da cultura nos terrenos sagrados da diversidade e da identidade cultural nordestina, nos sítios onde ainda resistem os Bois de Reis, os Reisados e as bandasde Pífano. Claro que não é só na Paraíba. Em outras regiões também é assim. Do município de Cruzeiro do Sul, no Acre até Uruguaiana, no extremo sul do RS. Somos regidos pela globalização.
Movida pelo jabá, a mídia cumpre um trágico papel neste cenário. George Orwell já falava disso no livro 1…

Cantigas de celebração da vida

por Lau Siquiera

Sandra Belê é uma artista que surpreende sempre. Seja pelo enraizamento nas tradições culturais do Cariri, ou porque aprendeu a voar longe e alto.  Coleciona pássaros no olhar. Possui raízes profundas e asas longas. Canta muito além das medidas de lugar e tempo. Revela que modernidade e tradição podem somar sintonias. Todavia, mesmo cantando coco de roda, ciranda, aboio ou forró, nunca foi apenas uma cantora regional. É universal até na pequena Zabelê, onde nasceu. Transita com elegância entre a identidade cultural do seu povo e a imensa diversidade da música contemporânea. Representa o que há de mais complexo na metalurgia e na história da comunidade musical brasileira.
Aprendiz dos Mestres caririzeiros, compreende a música enquanto linguagem de um mundo em ebulição. Todavia, o que é mais impactante nessa sua nova fase é a ousadia.  Através de uma pesquisa realizada no curso de Arte Mídia da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG mergulhou fundo na ancestralidad…

Cultura não é qualquer coisa

por Lau Siqueira
O conceito de cultura é dos mais amplos. Quase tudo é cultura.Alguns pensam que cultura é coisa nenhuma. Coisa de artista. Delírio intelectual de pesquisadores. Todavia, esses não são os piores. Existem os que pensam que cultura é qualquer coisa. Esses é que são perigosos. São os que bancam as apelações e as aberrações estéticas e éticas da mídia dominante. Mas, quando o cenário é de retrocesso, o palco é de resistência. Por isso são vivas e vibrantes as palavras de Alceu Valença: “a maneira mais fácil de dominar um povo – e a mais sórdida também – é despi-lo de sua cultura natural, daquilo que o identifica enquanto um grupamento social homogênio, com linguagens e referências próprias.” Com a eleição de Lula a cultura passou a arejar os gabinetes mofados de Brasília. As diretrizes ficaram mais animadoras. Era nítida a ampliação de uma geografia de investimentos  historicamente reduzida ao Rio e Sampa. O ministro Gilberto Gil chegou a Brasília junto com as comunidades t…