Pesquisar este blog

domingo, 24 de abril de 2011

Mário Quintana: A ABL VIROU UM DEPÓSITO DE MINISTROS

Mário Quintana na rede.
Por Lau Siqueira

Em janeiro de 1987 eu estava em Porto Alegre visitando a família com minha filha Mariana ainda bebê, Mayra na barriga da mamãe Joana Belarmino, na época repórter do Jornal O Norte e hoje professora de Teoria da Comunicação da UFPB e Doutora em Semiótica.

Eis que fui iluminado por uma daquelas idéias que eternizam um momento. Convidei Joana para entrevistar o poeta Mário Quintana que acabara de completar oitenta anos. Exatamente na tarde do dia 16 de janeiro pegamos o busão na esquina e partimos para o centro da cidade para aventurar esse encontro com o poeta. Munidos um pequeno gravador e um enorme entusiasmo. Sequer uma máquina fotográfica. Chegamos no Porto Alegre Residence e pedimos para falar com o morador do apartamento 805. Falamos pelo interfone com a secretária de Mário que disse que teríamos apenas meia hora. Com o coração aos pulos subimos até o apartamento do poeta onde nos esperava a secretária que, coincidentemente, tinha sido minha colega de trabalho numa joalheria famosa na época, a Casa Masson. 

Já na entrada percebemos a gentileza e simpatia do poeta. Disse que daria a entrevista apenas porque era para a Paraíba, um estado que gostaria de ter conhecido por conta das afinidades históricas dos gaúchos com os paraibanos. Nos chamou para o quarto dele e pediu três cafés. Se mostrou uma pessoa extremamente simples e alegre. Sua lucidez e seu senso de humor chegaram impecáveis aos oitenta anos. Menos a audição que já não era a mesma.

Conversamos um bocado. Além de conceder-nos a entrevista, Mário nos ofereceu muita amabilidade. Falamos da vida, de poesia e rimos bastante com as “tiradas de onda” do poeta sobre tudo e todos. Quando íamos saindo, Mário me pegou pelo braço e disse, com seu denso sotaque alegretense:

- “Vem cá, vou te mostrar uma coisa que não mostro para ninguém.” (Com cara de quem mostrava pra todo mundo.) Curioso, segui aquele menino de oitenta anos. Joana que é cega de nascença, permaneceu sentada na cama do poeta. Quando chegamos na porta, pensei que ele fosse pegar algo, mas ele fechou a porta e me mostrou o lado de dentro com um imenso painel de fotografias da sua musa, Bruna Lombardi. Às gargalhadas, Mário me disse que algumas pessoas pediam para ele explicar aquilo e isso o aborrecia:

- "Que coisa chata, como é que eu vou explicar uma amizade? Acho também que a amizade é um tipo de amor que não acaba nunca". Então nos despedimos, descemos, pegamos o busão e fomos direto para a casa da minha irmã com aquela preciosidade na bolsa: uma entrevista super exclusiva com o baita poeta Mário Quintana, em fita cassete. Caracas, eu nem acreditava! Quando chegamos em João Pessoa, depois de datilografá-la (porque naquele tempo os tempos eram outros), entregamos a preciosidade ao editor do Jornal O Norte, Carlos Cesar, que publicou-a na íntegra na mesma semana. Logicamente, com um texto de abertura de Joana Belarmino. O mesmo Jornal O Norte republicou partes da entrevista quando Mário morreu. O Jornal A União, também da Paraíba, mais tarde republicou a entrevista. Um outro jornal, de Goiás (Diário da Manhã), através do poeta e amigo Luiz de Aquino, anos depois, também reproduziu nossa preciosidade. Da mesma forma, o jornal Alto Madeira, de Porto Velho-RO, através do amigo, poeta e jornalista Selmo Vasconcelos, sobrinho do autor de Meu Pé de Laranja Lima, o escritor José Mauro de Vasconcelos.

Mas, minha memória, por algum motivo, não resgatou apenas esta preciosa entrevista com este grande poeta gaúcho, colhida dos meus arquivos pessoais. Lembrei, por algum motivo, da imagem do próprio Mário Quintana na passeata do Jornal Correio do Povo, alguns anos antes, quando o jornal entrou em crise e fechou. Era, seguramente, um dos melhores jornais do país. Lá estava ele – que se dizia apolítico -, segurando uma faixa!

Também lembrei da notícia de despejo do poeta, então desempregado pelo Correio do Povo. Ele morava no antigo Hotel Magestic. A comoção popular foi grande e, dizem (não tenho como confirmar isso), um famoso jogador de futebol acolheu o poeta no Porto Alegre Residence. Por aquelas imensas ironias do destino o Hotel Magestic se transformou num dos mais charmosos equipamentos culturais de Porto Alegre: a Casa de Cultura Mário Quintana.

Senti vontade de reviver esses momentos e dividir com os amigos, através do meu blog, A Barca, onde publico alguns artigos sobre temas diversos. Com Mário Quintana inauguro também uma nova fase do blog, publicando entrevistas com escritores e outros artistas. Desde que citada a fonte e os autores da entrevista. Por se tratar de um material que julgo importante para a Poesia Brasileira e que deve ter o acesso democratizado, autorizo a reprodução e solicito que, se possível, me encaminhem uma cópia ou link.

Entrevista concedida à Joana Belarmino e Lau Siqueira tarde de 16 de janeiro de 1987, no Porto Alegre Residence.
Manchete no jornal paraibano O Norte, na época:
Mário Quintana: A ABL virou um depósito de ministros
Aos 80 anos, o poeta está mais avesso à Academia

P - Existe alguma pergunta que os jornalistas sempre fazem e que você considera chata?
MQ - Não. O que existe é uma pedida chata. Há pessoas que dizem, por exemplo: "Seu Mário, faz uma dedicatória bem poética pra mim... Olha, o que eles entendem por poética me deixa horrorizado.

P - Quando foi que a poesia entrou na sua vida?

MQ - Eu comecei a fazer versos desde que me entendi por gente. Eu acho que ser poeta não é uma maneira de escrever é uma maneira de ser. Assim como nascem pessoas de olhos azuis ou pretos, nascem também os poetas. Mas eu só publiquei mesmo o meu primeiro livro muito mais tarde. Os poetas novos tem ânsia de publicar logo. Eles deveriam esperar ficar mais amadurecidos pela vida, não é? E assim, iriam amadurecendo também o seu instrumento, que são as palavras. O poeta quando mais velho tem tendência de ficar melhor, com o estilo mais depurado. Viveu mais, não é?

P - Você acha que Mário Quintana já está pronto, é um bom poeta?

MQ - Olha, eu sou m eterno aprendiz. Porque o poeta que descobre uma fórmula, ganha renome, não quer outra vida e fica conversando com os amigos sentado em cima do muro sem se espetar, esse está perdido, porque eu acho que a poesia não é mais que a procura da poesia, como acho que também Deus se resume na procura de Deus. Eu publiquei meu primeiro livro aos 34 anos. Foi "A Rua dos Cataventos".

P - O que você acha da velhice?

MQ - Eu acho que é uma pena. Só que eu queria ter nascido 40 anos antes, e não oitenta anos antes (risos). Tudo isso eu já vivi, sabe? Quando o diabo me chamar eu já estou pronto.

P - Você já viveu oitenta anos. O que é que mudou em Porto Alegre desse período pra cá?

MQ - Olha, naturalmente o que mudou foi a arquitetura, não é? Eu vejo sempre uma cidade dentro da outra e lembro aquela cidade antiga. Mas, pra me lembrar dela eu tenho que fechar os olhos (risos). Porto Alegre, antigamente, era muito mais calma. Não havia tantos assaltos, tanta violência... Eu nasci no tempo das vacas gordas. Antes, o leiteiro deixava o leite na porta de casa e ninguém roubava. Hoje roubam até as galinhas dos despachos. Os tempos mudaram, os costumes, mas a vida continua a mesma. Eu não sou como aqueles velhos que dizem: "Ah, os bons velhos tempos..." eu tenho vontade de dizer para eles: "Olha seu moço... seu moço, não, seu velho. Os tempos são sempre bons, o senhor é que não presta mais... (risos).

P - Você continua a escrever poesia com freqüência? Publicará algum livro este ano?

MQ - Olha, eu não sei fazer outra coisa na vida. Este ano vou publicar dois livros: Um diário poético, com pensamentos sobre cada dia. No dia universal da mulher, por exemplo, eu escrevi o seguinte: " De cada dois gambás - eu não sei se na Paraíba se usa a palavra gambá para se definir um bêbado - um é porque não tem mulher e o outro é porque tem. (risos).

P - Já se tentou três vezes colocar o seu nome na Academia Brasileira de Letras e não se conseguiu. Qual é, agora, a sua relação com a Academia?

MQ - As minhas relações com a Academia foram sempre boas, eu sempre me dei com gente de lá. Não estou dizendo que "as uvas estão verdes", mas, na verdade eu nunca quis pertencer à Academia. O pessoal de mentalidade futebolística não se satisfazia com apenas um nome gaúcho no time e achavam que devia ter outro lá. Resolveram me candidatar. Quando me candidataram da primeira vez, eu recebi o recado de um senador, que estava tudo preparado para entrar o Portela, os votos já estavam prontos e que eu deveria desistir... E eu disse para ele, por telefone, que não haveria de desistir porque o pessoal iria pensar que era covardia minha. Seria muita desconsideração de minha parte. Aliás, eu não gosto da Academia e jamais quis pertencer a ela porque a gente perde um tempo enorme recebendo visitantes estrangeiros de valor muito suspeito. Se pensa que ser estrangeiro é grande coisa, que ser francês ou inglês é uma raridade e não é bem assim. Depois, na Academia, se começa a discutir quem vai ser o sucessor de quem, se recebe impressões de toda a parte para se votar e eu acho que isso atrapalha a vida do camarada, não é? Eu acho que ultimamente a Academia virou um depósito de ministros e com o perdão de alguns amigos que eu tenho lá, um asilo de velhos. Mas eu não tenho nada contra a Academia. De fato não há contradição minha em lamentar que não tenha sido eleito porque eu tensionava fazer tudo pela Academia, se fosse eleito. Acho que, antes de tudo, ela deveria ter muita gente jovem. Eu acho que já seria uma renovação e acabava com aquela coisa. Na academia, já não gostaram muito de mim porque dois anos antes da minha candidatura eu tinha dito que a Academia era uma espécie de sociedade recreativa e funerária (risos).

P - Como é o dia-a-dia de Mário Quintana?

MQ - Bem, eu acordo de manhã, vivo de dia e durmo de noite (risos). Não tem nada de especial. Eu escrevo, ando, visito amigos...

P - Mário, cita dois ou três poetas brasileiros que você considera bons.

MQ - Olha, eu não gosto de citar. Eu só citarei um para evitar, depois, emissões inadvertidas ou divertidas. Eu citarei o Carlos Drummond de Andrade que é um dos poetas mais complexos do nosso País.

P - Mário, você fala muito do amor nos seus poemas. Mas, você não se casou, não teve filhos. Como explica isso?

MQ - Talvez porque não tenha tido tempo. Eu andei muito. Antes eu trabalhava em Alegrete, cidade onde nasci. Ali fui prático de farmácia. Mas, quando estava esquentando uma coisa eu mudava para outra. No quarto ano do colégio eu fui reprovado porque só estudava Português, Francês e História. O resto eu nem abria e um dia meu pai disse: "Olha, você não quer estudar. É uma pena, mas, vagabundo não te quero. Vais trabalhar na minha farmácia." E eu fui prático de farmácia por cinco anos. Depois quando ele faleceu, eu fui fazer a única coisa que eu gostava: fui trabalhar de jornalista no jornal O Estado do Rio Grande. Quando as coisas estavam esquentando de novo o Governador mandou fechar O Estado do Rio Grande. Era o Flores da Cunha. Ele era um velho caudilho (risos). Aí fui trabalhar na Gazeta de Notícias, no Rio. Isso em 1936. Estive lá dois anos e aí fui trabalhar na Livraria do Globo. E sempre andando de um lado para o outro. E aí não tive tempo. Como é que vou saber porque é que não casei. Deve ter sido por causa dos astros, né? Vamos culpar os astros (risos).

P - (Joana) - Casou com a poesia?
P - (Lau) - Não, não... A poesia não é um casamento. É um caso, não é?

MQ - Ah... a poesia é um caso mesmo!

P - Quantos livros você traduziu?

MQ - Eu traduzi para a Livraria do Globo, cento e trinta e oito livros. No tempo em que eu era criança, o francês era moda e a minha mãe era professora de francês. Então, quando a gente, por exemplo, não queria que os empregados soubessem o que a gente estava dizendo, aí se falava em francês. Grande parte da revolução de 23, por exemplo, foi preparada em francês, porque se reuniam as senhoras dos oficiais para tomarem chá e comunicavam as coisas todas em francês. Imagine que na minha terra, em Alegrete, se fez revolução em francês. Que barbaridade! Naquele tempo as comunicações com a Europa eram bem mais fáceis que hoje. A França era a capital literária do mundo. Eu, quando estava na farmácia do velho, tinha conta numa livraria francesa. Eles mandavam os boletins e eu encomendava. Tudo vinha direto de Paris para Alegrete.

P - Que recado você vai mandar para os paraibanos?

MQ - Ah, eu quase fui morar na Paraíba. Porque eu servi na revolução de trinta e quando houve aquela batalha de Itararé (que não houve) eu estava na cidade de Rio Branco, no norte do Paraná. Aí se chegou a um acordo e o tenente, que era da Paraíba, me ofereceu o cargo de tenente-contador. Mas eu disse pra ele que não pretendia ser soldado, nem prosseguir no serviço militar porque preferia voltar para o Sul. Isso aí por um lado foi bom, não é? Porque depois houve um golpe na Paraíba, imagine, eu poderia ter morrido... (risos)

Um poema de Mário Quintana:



Os antigos retratos de parede
Não conseguem ficar longo tempo abstratos.
Às vezes os seus olhos te fixam, obstinados
Porque eles nunca se desumanizaram de todo.
Jamais te voltas para trás de repente.
Não, não olhes agora!
O remédio é cantares cantigas loucas e sem fim...
Sem fim e sem sentido.
Dessas que a gente inventava para enganar a
Solidão dos caminhos sem lua.

(do livro "Esconderijos do Tempo - composto após os 70 anos de idade)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

II FLIBO afirma vocação cultural de uma Paraíba que pensa e faz

A marcha pela literatura, na II FLIBO.
por Lau Siqueira

Não apenas as pessoas. Também as comunidades, as cidades, os estados, os países... Tudo que pulsa no mundo busca afirmar alguma vocação diante de um futuro cada vez mais competitivo e tribalizado. A cidade de Boqueirão, com a realização da sua II Feira Literária (II FLIBO) aponta um novo caminho, um novo modo de desenvolvimento que pode e deve esternder-se à outras cidades do interior paraibano. Não são poucas as provocações históricas que sinalizam nesta direção. Isso nos faz, também, acreditar que a questão central do conceito de sub-desenvolvimento está na forma colonizada de pensamento que nos foi imposta década após década. O pensamento do outro, o sentimento do outro, o costume do outro... ou melhor: a educação da Europa; o cinema americano; a literatura francesa; a música inglesa; a tecnologia japonesa... Quanto mais distante mais valioso, ainda que seja este um valor bastante duvidoso tantas vezes. Nesta forma sub-desenvolvida que alguns preferem por se tratar de um modelo de fácil dominação política há uma pré-disposição em pensarmos que tudo que os outros fazem é melhor. (Tudo nos EUA é melhor. Tudo em São Paulo é melhor. Tudo em Pernambuco é mais interessante.) Se não pecebermos o montante de interesses que envolve essa aniquilação das identidades e possibilidades regionais, a história não nos perdoará. Nós somos sujeitos do nosso destino e isto está posto até mesmo no que pode ser considerado pelos incautos “um simples evento literário.”

Depois do Encontro de Literatura Contemporânea realizado em Campina Grande, durante o carnaval, da II FLIBO, em Boqueirão, de 24 a 27 de março, do V Celebrando os Anjos de Augusto que acontecerá no dia 19 de abril em Sapé e do tradicional Festival de Poesia de Aparecida, já podemos arriscar a idéia de que a Paraíba começa a perceber que a sua tradição cultural pode vir a ser, num prazo mais curto que se imagina, a sua mais poderosa “indústria”. Não é segredo que a chamada Indústria Criativa, ou seja, a indústria do conhecimento, movimenta 7% do Produto Interno Bruto – o PIB mundial. A Inglaterra saiu na frente e no governo Tony Blair fundou o seu Ministério das Indústrias Criativas que movimenta bilhões de Euros e emprega e remunera muito bem obrigado milhares de cidadãs e cidadãos ingleses.

Citamos apenas alguns eventos de literatura que se situam dentro de um contexto bem mais largo e complexo porque este seria, provavelmente, um dos elos mais frágeis na cadeia produtiva da cultura da Paraíba. O fato é que na sua segunda versão a FLIBO já começa a ganhar uma razoável visibilidade através da mídia espontânea, das redes sociais, do fenômeno dos blogs e de portais muito conhecidos como o Overmundo. Muitas pessoas do país inteiro ligadas à literatura e aos movimentos culturais, por esses meios principalmente, já tomaram conhecimento que uma cidade do Cariri Paraibano aposta num evento literário de qualidade como um dos vetores especiais do seu desenvolvimento.

A II FLIBO começou com uma palestra do reconhecido escritor brasileiro, o paraibano Bráulio Tavares e terminou com uma aula-espetáculo de um escritor que é uma das maiores legendas da cultura brasileira, o também paraibano da gema, nascido no Palácio da Redenção, Ariano Suassuna. Somente a presença de Ariano Suassuna no evento já demarca para Boqueirão um terreno fértil dentro da teia de eventos literários brasileiros. Banido durante décadas da vida cultural do Estado, Ariano começa a reconquistar a sua cidadania paraibana e recompor os vácuos de uma história contada por interesses de facções coronelistas. Quem ganha com isto é a Paraíba que recebe de braços abertos um dos seus mais ilustres frutos. O Estado ganha também por vivenciar nesse momento histórico a certeza de novos tempos. Percebe-se que novas idéias estão semeadas. Certamente que não para esquecer o passado, mas para escancarar as portas do futuro.

Um evento que soube cativar escritores de outros estados e, ao mesmo tempo, acolher a efervescência da nova cena literária que está posta na terra de José Lins do Rego e Augusto dos Anjos, não precisará de maiores justificativas para captar o futuro. A FLIBO trouxe para o centro do debate a questão das novas linguagens criadas a partir da literatura eletrônica e das novas mídias. Também as tradições populares e os anseios dos novos escritores. Até mesmo a estética que não exclui possibilidades e não perdoa vaidades. Estamos tratando de um festival de literatura que nos mostrou, sobretudo, como dialogar com o seu tempo e com a sua circunstância.

Realizado pela Prefeitura Municipal de Boqueirão, através da sua Secretaria Municipal de Cultura, a FLIBO nos mostra que o desenvolvimento da educação e da cultura nas diferentes regiões do mundo, dependerá sempre da visão de futuro dos governantes e da capacidade de mobilização da sociedade. A Associação Boqueirãoense de Escritores – ABES que, na verdade, colocou a mão na massa para garantir a realização do evento, teve habilidade de sobra para trabalhar articuladamente com instituições como o Governo do Estado da Paraíba, através da Secretaria de Cultura, com movimentos literários paraibanos como o Grupo Caixa Baixa e o Núcleo Literário Blecaute, mas também com o SEBRAE e outros parceiros. A ABES soube ainda mobilizar escritores pessoenses que, com apoio da Fundação Cultural de João Pessoa – FUNJOPE, estiveram presentes e atuantes, seja participando das mesas, lançando obras ou aproveitando este importante espaço de trocas de saberes que tanto contribuem com Boqueirão quanto adensam o olhar dos visitantes.

MARCHA PELA LITERATURA

Um dos pontos altos da Feira Literária de Boqueirão foi o envolvimento das escolas do município. Seja nas oficinas ou em momentos de extrema singularidade como a simbólica Marcha pela Literatura, onde os organizadores e organizadoras souberam constituir elementos de sedução junto ao alunado trazendo para as ruas personagens da literatura de Monteiro Lobato e dos clássicos da literatura mundial. Esta marcha deu uma característica conceitual à FLIBO, ao apontar para a necessidade de incentivarmos políticas de leitura nas escolas. Um fator estruturante para formação das futuras gerações de cidadãos e cidadãs do Cariri Paraibano e de outras regiões. Marcel Proust, em texto sobre a importância da leitura, afirmou que as melhores lembranças da nossa infância são as imagens que colhemos nos livros. Já o poeta gaúcho Mário Quintana costumava dizer que “o pior analfabeto é aquele que aprendeu a ler e não lê. O fato é que o elo com as políticas da Educação apontam um caminho que será determinante para a estruturação um futuro mais pleno em sabedoria e cidadania.

PREPARANDO A III FLIBO

Os escritores e escritoras que fazem parte da ABES e que, na verdade, fazem parte também de um movimento espontâneo que contamina a Paraíba inteira, já devem estar pensando no formato que darão ao evento no próximo ano. Na verdade, a segunda edição de um evento é sempre a sua afirmação. As futuras gerações saberão agradecer, como hoje a cidade de Porto Alegre agradece aos que criaram e sustentaram a tradição que já caminha para a sexagésima edição da sua Feira do Livro, atualmente, a maior feira de livros ao ar livre da América Latina. A FLIBO começa a dar os primeiros passos de forma muito segura quanto ao seu papel no desenvolvimento econômico, social e cultural da cidade e do Estado. O cenário está pronto: Boqueirão mantém uma Orquestra Filarmônica entre cordéis e cantorias, grupos de boa referência como o Kiriri Jazz Band, além de fomentar a maior tradição musical brasileira, o chorinho, bem como outras tradições do povo do Cariri.

A FLIBO afirma as políticas públicas de cultura que conduzirão pelos melhores caminhos os que hoje não conseguem ainda dimensionar a importância para as suas vidas de um ato público com a dimensão da Marcha pela Literatura. Estabelecendo diálogos com as novas tecnologias, com as mídias digitais que já não fazem mais parte do futuro e com a história da literatura que, como afirmam alguns teóricos, não possui grau de evolução, pois afirma-se através do tempo nas suas melhores tradições. Abrindo as portas para as mais densas colheitas da intelectualidade lusófona e para a imensa diversidade cultural da região, Boqueirão em pouco tempo será conhecida nacionalmente pela FLIBO e por iniciativas semelhantes que a sua Secretaria de Cultura vem semeando com a dedicação de quem acredita na cidade.