Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2014

OS NÓS E OS LAÇOS DA LEITURA

Por Lau Siqueira




Cresce cada vez mais no Brasil e, consequentemente aqui na Paraíba, o número de militantes por uma política pública de leitura. Na verdade, uma política pública para o livro, a leitura, a literatura e as bibliotecas. Uma luta mais do que justa, aliás. Precisamos eliminar o analfabetismo. Todavia, o que mais preocupa é o analfabetismo funcional que frequenta há muito até mesmo o chamado “ensino superior”.  Este se revela como consequência direta da carência de uma política pública voltada para a formação de leitores. Uma falha que começa no ensino fundamental e se estende pela vida do estudante. Apesar da urgência  na efetivação de um marco legal não é um problema que se resolva por decreto. O chamado “povo do livro”  no país inteiro convive com alguns conflitos que precisam ser superados. O principal deles é o corporativismo. O típico “farinha pouca meu pirão primeiro”.  Esse é o gargalo do momento, pois devemos considerar de forma igualitária todos os segmentos da cad…

A REVOLUÇÃO CULTURAL DA PERIFERIA

Por Lau Siqueira


A mídia globalizou-se. Chegou às comunas do mundo. Todavia, a intensidade da difusão continua privada. O eco maior é propriedade de poucos. Mesmo assim as periferias do mundo resistem. Se a mídia banalizou a cultura do povo, as ruas a consagraram. Existe uma pulsação imensa por fora das grandes cadeias midiáticas. Afinal, é cada vez mais fácil gravar um disco em qualquer lugar do país. Nem sempre com as melhores estruturas. Pouco importa, pois um ouvinte atento é capaz identificar os melhores  conteúdos.  “Da minha cabeça cuido eu”, já dizia um sábio andarilho dos anos 70. Difícil mesmo é fazer com que o trabalho  feito “na tóra”, como se diz, tenha repercussão até mesmo regional. As emissoras de rádio e TV, apesar de serem concessões públicas, funcionam na lógica do lucro fácil e da audiência conquistada a qualquer preço. Os que não podem pagar o jabá, os que estão fora das grandes máfias fonográficas.
Há resistência em qualquer periferia do mundo. Lugares onde a expr…

AS TRAMAS SONORAS DO SILÊNCIO

Por Lau Siqueira
A Paraíba construiu uma das mais ricas estradas musicais no país do samba e da bossa nova. São muitos os caminhos percorridos por gênios como Jackson do Pandeiro e Sivuca. Daqui saíram expoentes que se consagraram no mercado fonográfico em diversos gêneros. Zé e Elba Ramalho, Chico Cesar, Cassiano, Herbert Viana, entre tantos nomes que trafegam nas idas e vindas de um rebuliço cultural brasileiro que dialoga com o mundo.
Nos dias de hoje essa efervescência cresce em diversidade e qualidade. O Projeto Música da Paraíba traduz com plenitude essa nova onda criativa espalhada em todos os gêneros. É o RAP na idade do metal, o rock na pesquisa do coco de roda, o forró da rabeca ao tímpano. Um oceano de possibilidades rompendo as barreiras invisíveis da vida.  Transgressões inventivas e poéticas que fomentam uma cena local que se permite transbordar.
O segundo edital do projeto Música da Paraíba revela mais uma vez a força de um movimento musical independente que cada dia  mais…

O PARAÍSO EM BREJO DAS FREIRAS

Por Lau Siqueira


Um roteiro de turismo Paraíba afora está muito além de um litoral paradisíaco. O Sertão também conta com belezas escondidas e únicas. Lugares onde o Sol e a Lua dimensionam com nitidez os movimentos e as cores do dia e da noite. Nem mesmo o clima quente e seco diminui o encanto. Ao contrário, o clima é um dos mais fortes elementos na sedução sertaneja. Serras íngremes e vales imensos fazem parte de uma paisagem onde nascem e se espalham as cores do arrebol e do poente. Uma dessas preciosidades, certamente, pode ser encontrada na Estância Termal de Brejo das Freiras, no município de São João do Rio do Peixe, localizada há 478 quilômetros de João Pessoa. Uma distância que vale a pena ser percorrida até mesmo pelo que pode revelar no meio do caminho.  O Parque dos Dinossauros, por exemplo. Um equipamento totalmente revitalizado pelo Governo do Estado.

Às vezes comento com  amigos acerca do que perdem alguns nordestinos em relação à exploração turística e cultural da Paraí…

MEMÓRIAS DO CANGAÇO NA PARAÍBA

por Lau Siqueira


As histórias do Cangaço não são as mais elogiáveis. Mas, também não diferem de histórias recentes. O que está posto é uma sofisticação midiática separando o passado do futuro. Eram duros os tempos do Cangaço. Extorsão, violência, corrupção e conluios políticos. Mas, por acaso hoje é diferente? Mudaram os métodos, mas as práticas pouco foram alteradas.Há uma maquiagem modernizante encobrindo as fissuras do tempo. O fato é que, inegavelmente, o mito do Cangaço existe e bate com firmeza nas portas do futuro. São as memórias do medo e da sedução pulsando na identidade Nordestina. Herança de um tempo onde a valentia, o heroísmo popular e a indignação diante das injustiças era a moeda corrente. O Cangaço cumpre um papel fundamental na compreensão da história do povo nordestino. Apesar de tudo, as lutas sangrentas nas caatingas se mostram aos olhos do mundo moderno esbanjando altivez.

A herança de Lampião, Corisco e outros personagens é tão robusta que há um inegável receio - …