Pesquisar este blog

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

MEMÓRIAS DO CANGAÇO NA PARAÍBA

por Lau Siqueira


As histórias do Cangaço não são as mais elogiáveis. Mas, também não diferem de histórias recentes. O que está posto é uma sofisticação midiática separando o passado do futuro. Eram duros os tempos do Cangaço. Extorsão, violência, corrupção e conluios políticos. Mas, por acaso hoje é diferente? Mudaram os métodos, mas as práticas pouco foram alteradas.  Há uma maquiagem modernizante encobrindo as fissuras do tempo. O fato é que, inegavelmente, o mito do Cangaço existe e bate com firmeza nas portas do futuro. São as memórias do medo e da sedução pulsando na identidade Nordestina. Herança de um tempo onde a valentia, o heroísmo popular e a indignação diante das injustiças era a moeda corrente. O Cangaço cumpre um papel fundamental na compreensão da história do povo nordestino. Apesar de tudo, as lutas sangrentas nas caatingas se mostram aos olhos do mundo moderno esbanjando altivez.

A herança de Lampião, Corisco e outros personagens é tão robusta que há um inegável receio - principalmente em rodas oficiais - de mexer no vespeiro. Mas, talvez já seja tarde demais.  Pesquisadores do Nordeste inteiro e mesmo de outros rincões brasileiros já acenderam o estopim. O Grupo de Estudos “Cariri Cangaço” é um bom exemplo. Pelo segundo ano consecutivo realizou o Seminário Parahyba Cangaço. No final de agosto, pesquisadores e simpatizantes da causa estiveram reunidos em Sousa, Nazarezinho e Lastro para debater o tema. O evento foi mais uma provocação à história oficial e uma lição de coragem e lucidez perpetrada pelo Cariri Cangaço e pelos militantes do Grupo Paraibano de Estudos do Cangaço. Acontecimentos que pulsam tão fortemente quanto estes até podem e devem ser questionados. Mas, não podem nem devem ser relegados ao esquecimento. Principalmente pelo que representam em termos de perspectiva para um desenvolvimento sustentável no Sertão da Paraíba.

Um exemplo muito claro da localização geográfica desta história é o Sitio Jacu, em Nazarezinho. Entre todas as moradas do Cangaço na Paraíba esta parece a mais estratégica. O lugar foi propriedade e morada do Coronel Chico Pereira e possui uma história que revela as razões dos confrontos do Cangaço com o sistema dominante na época. Todavia, enquanto se discute a viabilização do Memorial do Cangaço, o tempo passa e a degradação aumenta. Aquelas paredes crivadas de bala, sem dúvidas, atrairiam para o local uma legião apaixonada de turistas em substituição aos morcegos e ao esquecimento. Aliás, essa é a história contada pelos que sonham com um futuro de dignidade e respeito para o povo paraibano. Com a viabilidade do semiárido sustentada nos pilares da história e da cultura, o passado será a grande novidade. 







O texto acima será publicado pelo Jornal A União, no próximo dia 05/11, página 2.

Nenhum comentário: