Pesquisar este blog

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Em Guarabira tem Café com Poeira – Cultura e Resistência no Brejo Paraibano

Por Lau Siqueira

Guarabira é uma das mais importantes cidades do interior do Nordeste. É conhecida como a “Rainha do Brejo”. Situada numa das regiões de solo mais fértil do país, é um polo regional relevante em todos os sentidos. Possui localização geográfica estratégica.  Fica à cem quilômetros de João Pessoa e pouco menos que isso, de Campina Grande. Cento e oitenta quilômetros de Natal e duzentos e cinquenta de Recife. Integra uma região populosa e com expressões artísticas e culturais reconhecidas nacional e internacionalmente. Possui teatro, museu e outros equipamentos culturais. Mas, vem sendo gerida com as mãos de ferro das oligarquias. Grupos familiares se revezam na prefeitura. Políticos que não dialogam e até desprezam a efervescência natural dos movimentos culturais da cidade.

Todavia, os artistas e produtores locais não se entregam. Nunca baixaram a cabeça diante da hegemonia conservadora. Se articulam, se movimentam, criam espaços, reinventam-se, reviram as tradições e dialogam com o futuro. Estabelecem alianças com outras margens da cidade, do estado e do planeta. Nas relações humanas, na diversidade cultural, no exercício das liberdades individuais e na convicção de estabelecer uma trincheira de paz em meio ao caos do nosso tempo. É isso que sustenta a resistência cultural em Guarabira. Nos últimos anos a Associação de Arte e Cultura de Guarabira – AACG estimula ações na cidade. Entre elas, um evento muito interessante realizado em praça pública, o Café com Poeira. Toda sexta-feira tem hip-hop, ou rock,  performances, MPB, teatro, lançamentos de livros e os inevitáveis debates contemporâneos liberados na voz de cada um. São os diferentes buscando a igualdade. Algo que precisa ser visto com olhar sensível e não com condenações apenas revelam preconceito de classe. São os protagonistas do nosso tempo. Precisam ser reconhecidos e não condenados por isso.

O Café com Poeira se destaca. Claro, contra a vontade de alguns. Presta relevante serviço para a sociedade brejeira. Principalmente diante da morbidez massificada de alguns grandes e milionários eventos. Desses que zeram os cofres públicos para a cultura local. Traz semanalmente para a praça a potencialidade criativa e humana das suas comunidades, da sua intelectualidade. Mostra a cidade como ela é. Sem máscaras. Com sua beleza sem espelhos nem vaidades. Expõe um certo cosmopolitismo do abandono.  Se discute comportamento com a maturidade natural da juventude. Exemplo para uma sociedade que permanece calada diante do extermínio de jovens negros, dos crimes homofóbicos e machistas. Café com Poeira é uma bunda na janela da mediocridade. Antes de segregar, os poderes constituídos deveriam acolher e debater as questões que transbordam por ali. Afinal, a realidade dos bairros não é só boteco farmácia e igreja. O discurso bem estruturado dos artistas do Hip-Hop de Guarabira, por exemplo, nos mostra o quanto precisamos conversar. Nossa juventude precisa de políticas públicas e não de repressão e exclusão.


O Brejo paraibano possui organizações sociais históricas. Não apenas em termos de estrutura física. Mas, também quanto aos valores humanos. Mesmo que às vezes exagerem na informalidade. A verdade é que produzem ações efetivas e legítimas. Na maioria das vezes, sem apoio e sem reconhecimento algum do poder público e da sociedade. Café com Poeira é um exemplo do vigor, da energia urbana que se esparrama pela Paraíba. Traduz com exatidão a força que desloca a periferia para o centro e o centro para a periferia. Uma força que não se entrega à barbárie proposta pelas classes dominantes. Resiste e quer ser ouvida e reconhecida dentro e fora dos complexos institucionais. Desta convivência afetiva, social, cultural e artística, haverá de nascer uma nova consciência na Rainha do Brejo. Por exemplo, a consciência que receber artistas de fora é muito bom pra cidade. Mas, valorizar os de casa é fundamental para que toda a sociedade brejeira construa uma vida mais harmônica, democrática e progressista. Afora isso, sobra apenas o fundamentalismo religioso e político que tanto mal tem feito ao mundo e que tanto cresce por aqui.

Nenhum comentário: