CULTURA É MEMÓRIA EM PIANCÓ

Por Lau Siqueira


O secretário de Cultura de Piancó, João Leite, pretende  registrar postumamente a obra do Maestro Amâncio. Atitude que merece atenção especial de quem faz cultura na Paraíba. João Leite sabe onde pisa. É músico de boa safra. O secretário convocou ainda o Professor João Trindade, intelectual reconhecido no Estado e fora dele, para provocar o envolvimento direto da Secretaria de Educação do Município na sua estratégia de trabalho. Através de um concurso, ele quer seduzir os jovens estudantes para a  investigação e  a formulação de textos sobre personalidades do município. As duas propostas foram lançadas recentemente, durante o I Fórum de Cultura de  Piancó.  Um  evento que teve o sabor e a leveza da arte. Foi permeado pela apresentação luxuosa do próprio João leite ao saxofone, revivendo o JPSax. Aliás, um momento digno das melhores salas de concerto do mundo.

A preocupação do secretário em resgatar a memória musical da cidade, no entanto, tem uma fronteira bastante extensa. As peças do Maestro Amâncio apresentadas no evento revelam o quanto perde o nosso país ao relegar ao esquecimento os nossos grandes mestres. A recuperação da obra do Maestro Amâncio, certamente, colocará Piancó nas melhores mídias. Ofertará à cidade um marketing positivo. Algo capaz de referenciá-la positivamente na região e no Estado. Uma oportunidade que nem toda cidade possui, mas que algumas sabem muito bem como aproveitar. Um bom exemplo é Boqueirão que, com sua Festa Literária  (FLIBO) tem conquistado espaços generosos na mídia espontânea, impressa e televisiva. Já ultrapassou há muito as fronteiras da Paraíba.

Piancó é uma cidade de muitas tradições. Uma delas em breve deverá aparecer nas páginas de um livro, contando a passagem da Coluna Prestes pelo município. Muitas outras histórias povoam aquele solo tantas vezes castigado por longas estiagens e sempre revigorado pela capacidade de resistência do seu povo. O objetivo do secretário João Leite, um músico que já levou o nome da sua terra para diversos lugares do país e do mundo é um só: ele quer resgatar a autoestima do seu povo reavivando suas memórias mais densas. Homem das artes. Músico refinado. Cidadão exemplar. Ele não precisa de muita coisa. Certamente algum recurso. Sobretudo,  João precisará de muito repeito por parte do povo de Piancó. De muita parceria do poder público local, estadual e federal. Ele sabe que fazer cultura em qualquer lugar do mundo é um grande desafio. Sabe, também, que as grandes jornadas precisam de sonhadores na condução das velas. João Leite é este sonhador que pretende elevar o nome de Piancó oferecendo o mel do melhor. Ele quer biscoito fino para o povo.

Texto que será publicado na próxima sexta-feira no Jornal A União.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mário Quintana: A ABL VIROU UM DEPÓSITO DE MINISTROS

ENOCH É A DANÇA ALÉM DO CORPO.

Em Guarabira tem Café com Poeira – Cultura e Resistência no Brejo Paraibano