Pesquisar este blog

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A MÚSICA DA PARAÍBA NA WOMEX

Por Lau Siqueira

Que a Paraíba sempre foi um celeiro de grandes artistas e intelectuais, ninguém duvida. De Pedro Américo ao jovem Thiago Verde. Passando por Jackson do Pandeiro, Sivuca, José Lins do Rego, Augusto dos Anjos, Alexandre Filho, Miguel dos Santos e tantos outros em diferentes épocas e estilos. Na música, principalmente, sempre fomos soberanos. São inúmeros cantores, cantoras, bandas, compositores de incontestável qualidade. Alguns já reconhecidos pela mídia e pela crítica e outros ainda não.

A Primeira Coletânea do projeto Music From Paraíba foi lançada no ano passado na WOMEX, a maior feira de música do mundo. Além da capa primorosa feita pelo artista visual sertanejo Shiko, mostrou ao mundo o trabalho de vinte artistas selecionados pelas vias de um edital público. Lá estão Sandra Belê, Seu Pereira e Coletivo 401, Beto Brito, Os Gonzagas e outros artistas. Este ano foram setenta e um artistas selecionados para a segunda edição. São quatro discos num encarte com dimensão de LP, cuja arte da capa é assinada por Silvio Sá. Aliás, Silvio já desponta como uma promessa nas artes visuais paraibanas. A diversidade de gêneros e a colheita nas mais diferentes regiões do Estado revelam uma coletânea extremamente representativa da nova música paraibana.

Idealizado e desenvolvido por Arthur Pessoa, coordenador de música na Fundação Espaço Cultural da Paraíba, o projeto acabou se revelando também uma ação de circulação musical na terra de Chico Cesar e Lúcio Lins. Desde o dia 24 o álbum está sendo distribuído para produtores do mundo inteiro também na WOMEX que, este ano, está sendo realizada em Santiago de Compostela, na Espanha. No próximo dia 9 de novembro o projeto será lançado aqui em João Pessoa, pela SECULT-PB e pela FUNESC, no Teatro de Arena do Espaço Cultural. Será o começo de mais uma longa e produtiva jornada na contramão de um mercado fonográfico cada vez mais pasteurizado e mumificado pelas suas lucrativas razões. A FUNESC sustenta este projeto como uma ação de resistência cultural contra a globalização da mediocridade. Uma ação pública contra a barbárie do mercado.

É tempo de sonhar mais e realizar mais. Tempo de acreditar que as políticas públicas de cultura no Estado da Paraíba podem impulsionar o desenvolvimento do setor em todos os sentidos. Inclusive na base da economia da cultura numa terra cuja identidade é a criatividade o seu povo. A Paraíba pode se firmar como a Áustria brasileira neste terceiro século da era Cristã. Projetos como o Music From Paraíba revelam a potencialidade dos artistas para uma contribuição fundamental nos processos de desenvolvimento do Estado. Esta aposta, aliás, é muito segura.

texto que será publicado no dia 24 de outubro, no Jornal A Uniao.

Nenhum comentário: