ENTRE A DEMOCRACIA E O VOTO

Por Lau Siqueira


O poeta Mário Quintana tinha uma frase interessante sobre a democracia. Para ele “democracia é dar a todos o mesmo ponto de partida. A chegada depende de cada um.” Em Porto Alegre vi Mário em passeatas do Sindicato dos Jornalistas do RS por ocasião do fechamento do Jornal Correio do Povo. A redação inteira estava demitida. Inclusive o poeta. Certamente Mário nunca foi um militante. Em alguns momentos se posicionava de forma bastante conservadora. No entanto esta frase é tão emblemática quanto outra da sua campanha para a Academia Brasileira de Letras, quando disse: “a ABL é um tipo de associação recreativa e funerária.” Certamente com isso o poeta perdeu os votos que não teria.

O fato é que o voto livre e direto é uma conquista e um direito. A luta pelas Diretas Já foi uma das principais lutas do povo brasileiro. No entanto entre o voto e a democracia existe um hiato. Nossa democracia ainda é frágil. Ainda não temos o mesmo “ponto de partida” para todos. Estamos alavancando o futuro após 500 anos de favelização do país, de institucionalização da miséria enquanto instrumento de poder político. Mas precisamos reconhecer. Finalmente o Brasil saiu do mapa da fome feito pela ONU. Estamos caminhando para uma democracia. Aos reconhecer seus direitos e seu papel, aos poucos, o povo vai compreendendo seu papel neste novo cenário. O Nordeste e, especificamente a Paraíba, começaram um caminho sem volta para o desenvolvimento.

Todavia, ainda convivemos com a criminosa compra de votos. Também com a impunidade de políticos representantes da elite. Vivemos num tempo de desigualdades gritantes e preconceitos letais como o racismo e a homofobia. Estamos, pois, distantes de uma democracia verdadeira. Mas é este o destino do Brasil e da Paraíba. Temos um caminho já percorrido que diminui a distância entre os mais ricos e os mais pobres. Portanto, ainda não somos uma democracia plena. O rumo desta eleição nos mostra que somente os interesses particulares ou corporativos sustentam qualquer tipo de dúvida.


Por outro lado, não podemos esquecer que a extrema-direita avançou nestas eleições. O fascista declarado Bolsonaro já adiantou que será candidato a presidente nas próximas eleições. Na região mais rica do país as urnas revelaram as mais desagradáveis surpresas. Por isso o Nordeste precisa se posicionar firme. Juntamente com os demais segmentos populares do país. No caso específico da Paraíba temos escolhas casadas e em campos ideológicos muito bem definidos. Não existe espaço para o meio termo. Não existe espaço para as posições covardes dos que se escondem da própria verdade.  Mais do que nunca, “é preciso estar atento e forte”.





Texto que será publicado na página 2 do Jornal A União, em 17 de Outubro de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mário Quintana: A ABL VIROU UM DEPÓSITO DE MINISTROS

ENOCH É A DANÇA ALÉM DO CORPO.

Em Guarabira tem Café com Poeira – Cultura e Resistência no Brejo Paraibano